segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Revolução de 30 completou 80 anos neste ultimo domingo


Getúlio Vargas, fumando charuto ao centro, e seus homens na cidade de Itararé, divisa de São Paulo com Paraná, rumo ao Rio de Janeiro (foto de Claro Jansson)

Vitória das tropas ligadas a Getulio Vargas arrastaram o brasil para uma ditadura que durou 15 anos.

Diego Calvo

Publicado, originalmente, no Diario de Guarulhos

Em 1930, os estados de Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul lideraram o confronto armado que culminou na destituição de Washington Luiz do cargo de presidente da Republica no dia 24 de outubro. A este movimento foi dado o nome de “Revolução de 30”.

Antes da revolução, governantes paulistas e mineiros se alternavam no poder na chamada “Política Café com Leite”. A situação começou a se modificar em 1929, quando o então Presidente Washington Luis (carioca eleito pelo estado de São Paulo) indicou, como seu sucessor, o paulista Julio Prestes em detrimento de Antonio Carlos Ribeiro de Andrada, presidente do estado de Minas Gerais e sucessor direto ao cargo de presidente da Republica.

No mesmo ano, a quebra da bolsa de valores dos EUA, conhecida com “a grande depressão” levou à falência diversas empresas no mundo todo, inclusive no Brasil, principalmente nas áreas relacionadas ao plantio e distribuição do café que era responsável por 3/4 da exportação nacional e principal produto na riqueza paulista. Na época, o jornal nova-iorquino Herald Tribune, chegou a dizer que 2/3 do café consumido no mundo vinha de São Paulo, ou seja, a cada 6 xícaras de café consumida no planeta, 4 vinham de nosso estado. Com a crise, as exportações despencaram levando à falência centenas de agricultores e aumentando, demasiadamente, o desemprego.

Aproveitando todo o descontentamento, governantes mineiros resolvem apoiar à candidatura do gaucho Getúlio Vargas a presidente. No entanto, em 1º de março de 1930, Vargas perde nas urnas para Prestes no que qualificou como uma “eleição fraudulenta”.

Após o pleito, diversos acontecimentos, como a degola de João Pessoa em Recife por João Dantas, rival político, foram o estopim para que em 3 de outubro de 1930 desse inicio a revolução.

Vargas parte, armado militarmente, do Rio Grande do Sul rumo ao Rio de Janeiro por via férrea no dia 10 do mesmo mês. Para tanto, precisavam cruzar São Paulo, por isso era esperada uma gigantesca batalha em Itararé, município paulista que fazia divisa com o Paraná, visto que o general Góis Monteiro estava acampado com uma tropa do governo federal esperando a comitiva de Getúlio. No entanto, esta batalha nunca ocorreu.

No dia 24 de outubro de 1930, a exatos 80 anos, os generais Mena Barreto e Tasso Fragoso e o Almirante Isaías de Noronha depuseram do poder o Presidente da Republica Washington Luis. Getúlio chegou ao Rio de Janeiro, sem qualquer batalha de grandes proporções, em 31 de outubro de 1930 assumindo o governo provisório em 3 de novembro, dando fim a republica velha e início à era Vargas.

Getúlio comandou o País de 1930 a 1945, regressando ao poder por voto direto em 1951. Permaneceu até meados de 1954, quando seu governo entrou em crise por ter sido atribuída a autoria do atentado da Rua Tonelero, que matou o major Rubens Florentino Vaz e feriu no pé o jornalista Carlos Lacerda (ativista anti-Getúlio), a sua guarda pessoal.

Sofrendo a pressão da imprensa e da oposição, finalmente, no dia 4 de agosto, Getulio Vargas, sozinho em seus aposentos, se mata com um tiro no peito deixando a frase histórica em sua carta de adeus: “...Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário