terça-feira, 19 de outubro de 2010

Chuva e atraso na audiência do Caso Mércia Nakashima, ou seja, mais uma vez, me lasquei!

Na foto: O irmão Marcio Nakashima (esq), a mãe Janete Nakashime (centro) e a irmã Claudia Nakashima (dir) compareceram ao forúm de Guarulhos.

Fotos e texto por Diego Calvo

Ontem foi o primeiro dia de audiência no caso Mércia Nakashima. Para começar, acordei 5:45h da manha e saí de casa as 6:15h, pois a assessoria de imprensa disse que teríamos de estar lá 7:30h para pegar lugar e assistir. Prevenidos como somos, eu e a repórter, resolvemos chegar as 7h para garantir lugar.

Tudo combinado, foi aí que começou os imprevistos. Peguei um transito violento. Av. Tiquatira, Fernão Dias e Dutra eram verdadeiras franquias do inferno. Cheguei na redação e fiquei esperando o taxi, que, sem duvida alguma, demorou. Não esquentei muito com a demora, até porque chovia e eu queria que parasse até chegarmos ao fórum.

Já no fórum, um pouco atrasados para nosso prazo mas bem adiantados para o prazo da assessoria que só foi nos atender umas 8:30h, ou seja, uma hora depois. Sabe aqueles casamentos em que os noivos querem a igreja cheia, então marcam no convite meia hora antes? Aí você chega no horário marcado, ou até antes. Corre para dentro da igreja, pois vê que um garotinho de paletó caminha em direção ao púlpito com uma almofadinha decorada em uma das mãos, levando as alianças em cima dela e a outra mão próxima ao rosto, na medida certa para seu dedinho alcançar e cutucar o interior de seu nariz. Você não conhece o moleque, mas dane-se, o casamento já está no meio, o jeito é correr.

Quando chega lá, não é seu amigo ou amiga que está se casando, é o casamento anterior! A primeira reação é de “Ufa!” Mas no decorrer dos dois casamentos, a fome começa a bater e você quer matar, estrangular, chutar o saco e depois matar de novo o desgraçado que teve a idéia brilhante de achar que todo mundo iria se atrasar!

Foi assim que me senti. A chuva não tinha parado, o frio da manhã me fazia tremer, ainda mais que era o começo do horário de verão. Para piorar as coisas, só fui dar o primeiro clique às 9h e pouco, quando as primeiras testemunhas chegaram.

Depois disso ficou mais agitado. Havia uma luta intensa entre os foto-jornalistas para garantir uma imagem. Ombro a ombro, fomos conseguindo os cliques e os rostos em meio a microfones e cinegrafistas vinham a tona. Esperar na chuva valeu a pena pois, no dia seguinte, minha foto estava na capa!
Marcio Nakashima em meio a microfones, reporteres e cameras na entrada do forúm de Guarulhos na manhã de ontem.

2 comentários:

  1. É Diegão,vc achava que a vida de fotografo de formatura era dificil né??
    Toma ai então!!!!
    Mas pelo menos essa sua mudança para o jornal nos garantiu esse blog espetacular...
    Continue escrevendo sempre,pois me divirto muito com suas aventuras.
    Abraços

    Robson Favilla.´.

    ResponderExcluir
  2. Fala ai Diegão blz? Neste dia de chuva q vc enfrentou não bateu uma saudade das caninhas la de Minas uai rsrsrsrs.
    abraços do seu amigo

    ResponderExcluir