sexta-feira, 23 de março de 2012

Repórter e a sina do carniceiro



O URUBU E O REPÓRTER-FOTOGRÁFICO
Duas raças maculadas pelo modo de sobreviver

Por Diego Calvo
Foto Diego Calvo

O Urubu comum (Coragyps Atratus), é um animal muito grande pertencente à família dos Cathartidae.  A envergadura de sua asa chega a 1,5 m e seu peso pode atingir 2 kg. Tem o olfato bem desenvolvido. Se alimenta de animais mortos, mas, em grandes necessidades, pode comer pequenos répteis e roedores. Só que tudo isso cai por terra, pois, a primeira impressão quando falamos de Urubu, é essa:

Animal nojento, comedor de carniça. Fica a espreita esperando a morte alheia. Seu ambiente natural é o lixão de grandes cidades. Não serve como bicho de estimação por ser insociável e pertencer à família dos bichos feios e asquerosos.


Seguindo esta linha, os repórteres fotográficos, são comparados a estas ilustres aves. Ficam empoleirados na redação esperando uma tragédia que, se for possível, envolva diversas vidas. Ganham dinheiro com as lágrimas alheias e a fome mundial. As fotos, quanto mais chocantes, sentimentalmente, melhor são.

Por outro lado, se você olhar melhor, os urubus são extremamente úteis para a vida do ser humano. Por se alimentar de carnes em decomposição, eles evitam que doenças geradas por bactérias em animais mortos se alastrem até chegar à porta de sua casa.

Já os repórteres fotográficos, são, também, de suma importância para a humanidade. Antes de sua existência, as notícias chegavam de forma muito mais equivocada. Graças ao clicar em situações de grandes riscos, o fotojornalista consegue mostrar ao mundo as desgraças que passariam em branco se não fosse seu trabalho e, assim não sendo, as pragas da humanidade se arrastariam sorrateiras até a porta de sua casa.

Os urubus são, dos animais, os mais aventureiros. Sua desenvoltura e facilidade de planar, os leva a mais de 2 km de altura, quando pegam uma corrente de ar quente, o que os torna, das aves, as que chegam mais alto.
Os repórteres fotográficos, dos profissionais de comunicação, também são os mais aventureiros (loucos). Para conseguir fotos de guerra, tem de estar dentro da guerra. Para conseguir foto de chuva, tem de molhar o pé. Para levar a mais pura realidade do mundo, ele tem de estar no meio desta desprezível realidade.

O que torna um Urubu especial? A forma como você enxerga sua contribuição. O que torna um fotojornalista especial? A mesma coisa do urubu! 

O urubu sabe que o final de tudo é a morte, pois bem, já que todos vão morrer, ele se alimenta disso. Não podemos evitar as tragédias e nem as desgraças que afetam a humanidade, mas se elas teimam em acontecer, a melhor coisa a fazer é registrar para que nunca mais se repitam.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário