terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Quem assumirá o anel papal e sentará no trono supremo?



O conclave está na mesa e, mais que eleger um Papa, as fichas estão sendo redirecionadas para a renovação católica.


-->

Por Diego Calvo
Foto Wikipédia

Hoje, meu caro leitor, estava eu querendo saber o que escrever para você, até que li uma entrevista do cardeal arcebispo emérito de Salvador, Dom Geraldo Majella Agnelo, de nome e título realmente cumpridos, sobre o conclave que elegerá o novo Papa.

O tema, neste assunto, vai além de quem será o novo líder supremo da maior igreja do mundo. A renovação do catolicismo é a grande preocupação vigente.

Como uma igreja milenar pode se adaptar aos tempos modernos? Alguns pensamentos arcaicos já mudaram, só não na cabeça da igreja, que vai ficando para trás e perdendo seu rebanho tão lucrativo.

Por exemplo, estamos décadas a frente de uma época onde a virgindade é requisito primeiro para saber o caráter de uma mulher.

Além do mais, diante de uma superlotação no mundo, o uso de métodos contraceptivos, como camisinha e DIU, são essenciais para o bem estar do planeta.

E as mulheres? Porque uma mulher não pode ter o mesmo papel de um padre? Uma madre que reze missa e tenha uma paróquia inteira para cuidar, seria no mínimo interessante. Quem sabe até uma Papa? Apesar que estas madres que estão por aí nos metem mais medo que acolhimento.

Nem vou falar de casamento gay. Seria bom, mas esqueçam! A igreja ainda vai demorar umas décadas para acatar esta novidade milenar.

Não importa quem será dono do “anel papal”, mas o que será capaz de fazer com ele (no bom sentido da coisa).

Renovar a igreja significa não aturar mais os casos de pedofilia. Atuar mais pesadamente contra a pobreza do mundo. Reverter suas doações em benefícios para a humanidade mais carente.





A igreja tem de tomar postura diante de guerras patrocinadas pelo governo americano, não politicamente, mas se mostrando contra e guiando seu rebanho para longe do holocausto das AK47.

Isso é renovar! As outras coisas são subterfúgios para atrair clientes!

Ou seja. Ser Papa é legal, bonitinho, pop star. Viaja “pra caraca”, todo mundo te idolatra,e seu twitter fica cheio de seguidores e o “Engenheiros do Havaii” faz música para você. Só que sentar no trono supremo vai além de cagar e ninguém ter o direito de falar nada!

E vamos para outro conclave.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário