quarta-feira, 13 de março de 2013

Que tal um papa tupiniquim?


Don Odilo Scherer, o Odilão, é um dos mais cotados para o papado; hóstia, confete e serpentina no Vaticano!  


Por Diego Calvo
Foto Reprodução

Sim, o conclave me interessa. Não por que vai mudar minha vida cristã sem nenhuma religião, mas me preocupa saber quais serão as mudanças vindouras no catolicismo, afinal, ele comporta cerca de 1 bilhão de pessoas e minha querida avozinha faz parte ativa destes fiéis.

Não poderia faltar, também, a parte da curiosidade que habita minh’alma. Será realmente que um brasileiro assumirá este posto tão elevado? E a expectativa não é vã!

Jornais de todo o mundo apontam Dom Odilo Scherer como um dos mais papáveis (no bom sentido). Mas porque eu também acredito nisso?

Pedofilia: Padres comem criancinhas desde sempre


Bom, vamos levar em conta três pontos de entrave da igreja. E quando eu falo entrave, entenda “debandada geral de fiéis” (-$).

A igreja é arcaica: Precisa se renovar para alinhar-se aos tempos modernos. Isso trará mais fiéis.


Pedofilia: Padres (nem todos) comem criancinhas desde sempre, mas nunca foi tão divulgado e combatido como o é hoje. A dureza contra pedófilos de batina, trará mais fiéis.

Tradição: É preciso mudar mantendo certos ritos (dogmas), para agradar aos mais tradicionalistas (velhos carolas, fofoqueiros e enraizados que têm bastante dinheiro). Isso trará mais fiéis e não perderá os já existentes.

Destes, três possíveis papas podem se considerar na lista dos mais cotados, e aí entra, com força, nosso “Odilão”. Mas vamos falar dos outros fortes candidatos primeiro.

O cardeal Americano Sean O’Malley, é um renovador da igreja. Ele é blogueiro, e forte ativista contra a pedofilia. Por ser engajado e combatente, seu nome é bem cotado na lista.

O italiano Angelo Scola é conservador. Ele desponta na corrida, principalmente, por ser europeu e italiano. Vale lembrar que a sucessão dos papas, por séculos e séculos, se dá entre cardeais europeus.

E o nosso Odilão vem como a zebra. Seria ele o primeiro papa das Américas. Isso já é uma vantagem, já que a igreja procura se renovar. Além disso, ele é conservador, ou seja, uma “renovação conservadorista”, por assim dizer.

Outro ponto de vantagem é que o cardeal tupiniquim dirige a igreja em uma das maiores metrópoles do planeta, São Paulo, e consegue, junto dos padres pop´s (Marcelo Rossi, Fabio de Melo, etc.), lotar igrejas a porção de dezenas de milhares por missa.

A onda no Brasil, incentivada as escuras, são os carismáticos. Jovens católicos que cantam, dançam e depositam o dizimo. Talvez seja nesta imagem que o Odilão está se apoiando e mais fiéis ($) é o que se procura.

Por estas e outras é que este blogueiro vê grandes possibilidades de a terra brazilis ter gerado o futuro papa.

E já que estamos abaixo da linha do equador, onde os colonizadores (católicos) diziam não existir pecado, ou seja, pode-se esquecer a batina e cair na suruba livremente, é que digo que papável mesmo, é a Sabrina Sato. E vamos que vamos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário